Desde que os dados móveis se popularizaram entre os usuários de smartphones e demais dispositivos aptos a receber esse tipo de rede, muitas pessoas se tornaram verdadeiras adeptas desse tipo de tecnologia. 

Há anos, mais precisamente na década de 80, quando o 1G se apresentou ao mundo, sua utilização se dava, basicamente, nos telefones instalados nos carros e não nos celulares como conhecemos hoje. 

Com a difusão da era 2G, finalmente rede fixou os parâmetros usados até a atualidade no processo de conversação por telefones móveis, apesar disso, essa tecnologia ainda era inviável para a troca de dados.

Foi somente no ano de 2001 que o 3G surgiu. Um verdadeira revolução para a época e o responsável pela popularização da internet no mundo. O seu sucessor, o 4G veio para melhorar o que já estava em pleno funcionamento.

A tecnologia 5G é considerada a quinta geração das redes móveis. A implantação dessa tecnologia representa um grande salto evolutivo quando comparado à rede que se utiliza atualmente, a 4G. Além disso, a rede 5G vem sendo desenvolvida para suportar o crescente volume de informações que é trocado diariamente por inúmeros dispositivos sem fio no mundo inteiro.

Afinal, o que é tecnologia 5G?

O 5G representa a próxima grande evolução da banda larga sem fio. O seu principal objetivo é elevar, consideravelmente, as potencialidades da rede atual, alçando a banda larga móvel a altíssimos padrões de velocidade de conexão e de usuários simultâneos.

De forma resumida, as redes 5G prometem aos seus usuários uma cobertura muito mais ampla e eficiente, além da ampliação na transferências de dados e de um número bem maior de conexões simultâneas.

As redes da 4ª geração, utilizadas atualmente em algumas regiões do Brasil, são capazes de entregar uma velocidade média de conexão de, aproximadamente, 33 Mbps. Estima-se que o 5G será capaz de entregar velocidades 50 a 100 vezes maiores, podendo alcançar até 10 Gbps.

A Casa TIM já deu uma pequena mostra do que será possível com a tecnologia durante o HackTown 2019

O que será possível com essa tecnologia?

No ano de 2014, foram estabelecidos alguns parâmetros mínimos pelo GSMA, uma organização internacional formada por operadoras de rádio, internet e telefonia móvel, para nortear o processo de implantação das redes 5G. Entre esses parâmetros servem para nos fornecer uma noção da capacidade e dos benefícios que essas redes poderão nos trazer. A exemplo, alguns deles são:

  • A duração da bateria dos dispositivos receptores deve aumentar significativamente
  • No quesito consumo de energia, as redes 5G devem consumir até 90% menos energia que as redes 4G, utilizadas atualmente;
  • A quantidade de aparelhos conectados por área poderá ser até 100 vezes maior que o atual.

Depois de instalada a  infraestrutura das redes 5G, a redução do consumo de energia poderá diminuir os custos futuros, além de torná-la mais sustentável. Essa diminuição possibilitará a comunicação entre veículos autônomos, além de permitir o desenvolvimento de sistemas de segurança que evitem acidentes de trânsito.

O crescimento do número de aparelhos conectados por área proporcionará uma ampliação da tendência mundial da “internet das coisas”, ou seja, sistemas de iluminação pública e residencial, sensores de presença, aparelhos cardíacos, centrais de segurança, guichês de supermercados ou lojas, caixas, sensores meteorológicos e muitos outros dispositivos poderão conectar-se simultaneamente graças ao uso da quinta geração das redes móveis. Por conta disso, haverá infinitas possibilidades, cada vez mais inteligentes e conectadas, para hospitais, ruas, escritórios e o próprio ambiente doméstico.